segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Porque faço Anos...

Três prendas para mim própria: dois poemas e uma canção.


Passado, Presente, Futuro


Eu fui. Mas o que fui já me não lembra:

Mil camadas de pó disfarçam, véus,
Estes quarenta rostos desiguais.
Tão marcados de tempo e macaréus.


Eu sou. Mas o que sou tão pouco é:
Rã fugida do charco, que saltou,
E no salto que deu, quanto podia,
O ar dum outro mundo a rebentou.

Falta ver, se é que falta, o que serei:
Um rosto recomposto antes do fim,
Um canto de batráquio, mesmo rouco,
Uma vida que corra assim-assim.

José Saramago, in "Os Poemas Possíveis"




Não Pode Tirar-me as Esperanças


Busque Amor novas artes, novo engenho

Para matar-me, e novas esquivanças;
Que não pode tirar-me as esperanças,
Que mal me tirará o que eu não tenho.

Olhai de que esperanças me mantenho!
Vede que perigosas seguranças!
Pois não temo contrastes nem mudanças,
Andando em bravo mar, perdido o lenho.


Mas conquanto não pode haver desgosto
Onde esperança falta, lá me esconde
Amor um mal, que mata e não se vê.


Que dias há que na alma me tem posto
Um não sei quê, que nasce não sei onde;
Vem não sei como; e dói não sei porquê.

Luís Vaz de Camões, in "Sonetos"

3 comentários:

Isamar disse...

Parabéns, Esperança! Que a vida te permita somar muitos anos aos que já viveste, com saúde e alegria.

Beijinhos

Bem-hajas!

O Guardião disse...

Cheguei atrasado para a comemoração mas desejo à mesma tudo de bom.
Duas personalidades diferentes na escrita mas dignos representantes da nossa língua.
Cumps

o escriba disse...

Isamar e Guardião

Muito Obrigada!


Um grande abraço
Esperança