sábado, 4 de julho de 2009

Grande Bocage

Conformando-se com os reveses da Sorte

Se o Destino cruel me não consente
Que o ferro nu brandindo, irado e forte,
Lá nos horrendos campos de Mavorte,
De loiros imortais guarneça a frente;

Se proíbe que, em sólio refulgente,
Faça os povos felizes, de tal sorte,
Que o meu nome, apesar da negra Morte,
Fique em padrões e estátuas permanente;

Se as suas ímpias leis inexoráveis
Não querem que os mortais em alto verso
Cantem de mim façanhas memoráveis,

Submisso à má ventura, ao fado adverso,
Ao menos por desgraças lamentáveis
Terei perpétua fama no Universo.

8 comentários:

Kaotica disse...

Amiga Esperança

Fizeste-me ter vontade de voltar aos momentos da leitura. Passamos tanto tempo diante deste computador que só vir aqui e encontrar este poema me dá alento para vencer o desalento! Grande Bocage! Assim deixo de lamentar passar aqui tantas horas porque se era para estar a ler Bocage, vim aqui encontrá-lo na mesma.

Um abraço caloroso

Isamar disse...

Bem-hajas por nos teres trazido um dos grandes poetas portugueses.Os seus sonetos, que não são inferiores aos de Camões, estão na minha mesa de cabeceira e deleito-me com a sua leitura.
A avaliação da obra de Bocage é, por vezes, feita a partir de conceitos redutores que, quanto a mim, não têm justificação. Falo , por exemplo , do extenso anedotário que lhe anda associado devido à sua vida de boémio e que o impedem de ser colocado no seu verdadeiro lugar na história da literatura portuguesa.
Haja quem, como tu, o traga para a ribalta. Eu vou nessa.

Bjinhos

o escriba disse...

Kaotica

Fico feliz com as tuas palavras!
Gosto de partilhar o meu gosto pela leitura. Também tenho o meu tempo muito ocupado, mas sempre vou arranjando um "buraquinho" para ler ora coisas novas ora reler coisas que me estão no coração.

bjinhos
Esperança

o escriba disse...

Isamar

Para mim, Bocage está muito para além do anedotário que lhe é atribuído. Gosto dos seus sonetos, das suas odes, da sua linguagem barroca a assomar para o romantismo. Até o admiro nos seus versos eróticos.

bjinhos
Esperança

Miguel disse...

"Submisso à má ventura, ao fado adverso,
Ao menos por desgraças lamentáveis
Terei perpétua fama no Universo."

Um dos grandes poetas portugueses ...!

Bjks da M&M & Cª!

elvira carvalho disse...

"Submisso à má ventura, ao fado adverso," anda o país e andamos todos nós.
Ou seja "cadê" a evolução?
Gosto do Bocage. Pena que seja tão conotada com as anedotas e tão pouco com a boa poesia.
Um abraço, e como é que vai a netinha?

o escriba disse...

Miguel

Esta falta de tempo tem-me impedido de visitar os amigos!


Beijos à Matilde &Cª
Esperança

o escriba disse...

Elvira

Obrigada pela sua visita!
A netinha tem-me tomado o tempo todo, mas é uma felicidade!

bjs
Esperança