segunda-feira, 8 de dezembro de 2008

Lembrar Florbela Espanca


Muito se tem escrito sobre Florbela Espanca. Da singularidade da sua obra poética. Do seu carácter, da sua inquietude, da sua melancolia. Não venho, por isso, acrescentar nada.
O que aqui trago é um olhar sobre um pormenor da sua vida.
Na Primavera/ Verão de 1918, Florbela veio para o Algarve tratar-se do grave problema de saúde que a apoquentava. “Veio atraída pelo clima ameno, dos ares puros e grande salubridade da orla marítima”.
Instalou-se em Quelfes, pequena freguesia do concelho de Olhão, na casa da cunhada Doroteia, professora primária na escola da aldeia.



Edifício da antiga escola primária de Quelfes

Mas “Florbela amava a cidade, o movimento, o reboliço, a sua roda de amigos (…)”, “era uma mulher de excepção, estranha à sociedade envolvente e com sérias dificuldades de adaptação a regras de conduta social, que se antepunham à sua intrínseca necessidade de libertação”. Assim, a sua passagem por Quelfes não se traduziu, de modo algum, em felicidade. “A solidão exasperante da aldeia atormentava o seu espírito sequioso de comunicação, carinho, afecto admiração…de fama , com a qual sempre sonhou, mas que só veio a obter depois da morte”.
“Foram seis meses de forçado sossego, algum marasmo e uma imensa solidão literária. Quase um degredo, com que se não compadecia o seu natural estado de espírito.”


Altiva e couraçada de desdém
Vivo sozinha em meu castelo, a Dor…
Debruço-me às ameias ao sol-pôr
E ponho-me a cismar não sei em quem!

Castelã da Tristeza, vês alguém?!...
-E o meu olhar é interrogador…
E rio e choro! É sempre o mesmo horror
E nunca, nunca vi passar ninguém!

-Castelã da Tristeza, porque choras,
Lendo toda de branco um livro d’horas
À sombra rendilhada dos vitrais?...

Castelã da Tristeza, é bem verdade,
Que a tragédia infinita é a Saudade!
Que a tragédia infinita é Nunca Mais!!!

No entanto, Florbela gostava do casario branco de Olhão, onde às vezes vinha, e de ver o pôr do sol na Ria Formosa.
“Existem sonetos que recordam esses momentos inesquecíveis, marchetados pela inebriante beleza de um sol refulgente, que empresta a este céu aquele azul extasiante que só os poetas sabem cantar. Escreveu-os em Quelfes, inspirada na tristeza da sua solidão acompanhada”.


É triste, diz a gente, a vastidão
Do Mar imenso! E aquela voz fatal
Com que ele fala, agita o nosso mal!...
E a Noite é triste, como a Extrema-Unção.

É triste e dilacera o coração
Um poente do nosso Portugal!
E não vêem que eu sou…eu…afinal,
A coisa mais magoada das que o são!

Poentes d’agonia tenho-os eu
Dentro de mim, e tudo quanto é meu
É um triste poente d’amargura!

E a vastidão do Mar, toda essa água
Trago-a dentro de mim num mar de Mágoa!
E a Noite sou eu própria, a Noite escura!

No dia 8 de Dezembro de 1930, Forbela Espanca libertou as amarras que a prendiam à desilusão na procura da felicidade, ao conflito interior. Completava nesse dia 36 anos, e, nas suas palavras, "Tudo será melhor do que esta vida!".

Fonte: "Florbela Espanca na Vila de Olhão", José Carlos Vilhena Mesquita, 1996


31 comentários:

Sophiamar disse...

Parabéns, amiga e colega!Gostei muito, muito, deste post. Eu tenho a fotografia da casa onde Florbela, em Quelfes, viveu esse período de degredo da sua vida. Penso que a solidão, a tristeza que a consumiam, também as sentia nas cidades onde viveu.A ideia que tenho dela é a de uma mulher inconformada com a vida, inadaptada à vida. Os seus poemas revelam uma melancolia e uma nostalgia de que nunca se libertou acabando por pôr termo à vida. Gosto muito de poesia, gosto muito de Florbela Espanca mas os seus poemas retratam uma vida tão pungente que chegam a angustiar-me. Muito centrados sua vida. Prefiro outros poetas como Torga,Fernando Pessoa, Mourão-Ferreira, O`Neill...
Sabes do meu gosto pela poesia e então conto-te este episódio.Ainda estudante, fui passar um fim-de-semana ao Alentejo, a casa de uma amiga, hoje médica.Não tinha levado livros e sempre me acostumei a ler antes de adormecer. Deram-me , então, os sonetos de Florbela Espanca. Escusado será dizer que tive dificuldade em adormecer com os olhos rasos de lágrimas.

Conheço bem o autor do livro.Somos da mesma idade e vivemos na mesma cidade.
Hoje alonguei-me, amiga.
O teu blog é daqueles que quando se entra uma vez não mais o deixamos de visitar.

Beijinhos

Bem-hajas!

elvira carvalho disse...

Excelente o seu post sobre Florbela. Em Maio, postei Florbela, no A mulher e a poesia, e andei pesquisando tudo sobre ela para a biografia com que sempre acompanho a poet(is)a homenageada nesse post. Hoje apenas postei o "Nada de mais".
Gostei muito do seu post. Tenho um amigo brasileiro que também é poeta, que hoje postou 30 poemas da Florbela. Tenho que passar por lá a ver se há algum que não conheça.

elvira carvalho disse...

Um abraço amiga e bom feriado. Não sei como fiz, que enviei o comentário antes de terminar.

Georgia disse...

Linda a sua homenagem.

E pensar que ela expressava em letras o que lhe ocorria na alma.

Abracos

Flor ♥ disse...

Bom dia, meus queridos!

Chegamos ao grande dia da Blogagem em homenagem a Florbela Espanca.

Tanto ansiei por este dia, e eis que, por caprichos do acaso, desde sábado estou com problemas sérios de conexão, e hoje estou aqui graças ao PC de uma Lan House... Cheia de vontade de ler os seus posts, que tão carinhosamente estão sendo publicados, mas por hora impossibilitada... A presença do técnico está marcada para hoje às 16.00 h. Espero que tudo volte ao normal para que possa, além de me deliciar com as suas postagens, publicá-las no Interlúdio com Florbela, como uma pequena forma de agradecer pelo carinho de vocês... Conto com a compreensão de todos... Beijos!

Flor ♥

Janaina Amado disse...

Gostei do seu post - participo da homenagem hoje a Florbela, mas desconhecia este "degredo alentejano" na vida dela. Lindo o sobrado do Olhão!

Miguel disse...

Como sugeriste, também aderi á blogagem colectiva ...

Mas o teu post está excelente ...!

Bjks da M&M & Cª!

Du disse...

"Florbela é a flor maior da poesia romântica,
é o sofrimento em versos de um soneto
é o amanhecer mais belo de um encanto
é aquela que se perdeu pra se encontrar."
(Lustato)


Beijos!

FERNANDA & POEMAS disse...

Olá Amiga, excelente pots de homenagem á grande Florbela Espanca... Também participei... Beijinhos de boa noite,
Fernandinha

o escriba disse...

Isabel

Querida Amiga, gosto muito da poesia de Florbela mas tenho dias para a ler.
Sabes que lá em Matosinhos conheci algumas pessoas que tinham sido da época dela e a conheceram bem. Diziam que era uma mulher muito avançada para o seu tempo e a aceitação advinha do estuto social do marido, que era médico e delegado de saúde. Infelizmente, no geral, não se diziam coisas boas dela e a lembrança maior era a do seu suicídio.
Curioso este meu cruzar com Florbela: Olhão/Matosinhos.
Mas gosto das suas palavras de revolta, das suas interrogações interiores, do querer o que não tem, do não querer o que tem, do querer estar onde não está...

Olha também me alonguei na resposta!

bjinhos
Esperança

o escriba disse...

Elvira

Conheço bem a obra de Florbela e tenho muitos escritos dela, mas como é pouco conhecida a sua passagem pelo Algarve, achei por bem divulgá-la.Ainda bem que gostou.

bjs
Esperança

o escriba disse...

Georgia

Obrigada pela visita e pelo comentário.
Volte sempre.

Um abraço
Esperança

o escriba disse...

Flor

Espero que tudo volta à normalidade com o seu PC.

Linda esta iniciativa!Mais tarde passarei pelo interlúdio para ler as outras postagens.

Um abraço
Esperança

o escriba disse...

Janaina Amado

Obrigada pela visita e pelo comentário.
Volte sempre.

Um abraço
Esperança

o escriba disse...

Miguel

Fico contente por teres seguido a sugestão. A poesia é o sal da vida!

Beijos à Matilde & Cª

Esperança

o escriba disse...

Du

Obrigada pela visita e pelo comentário.
Volte sempre.

Um abraço
Esperança

o escriba disse...

Fernandinha

Seja bem vinda ao meu soma! Tenho muito gosto na sua presença e agradeço-lhe ter-se acrescentado aos seguidores deste espaço simplesinho.
Ainda bem que gostou do meu post.

bjs
Esperança

Serena Flor disse...

Acho que todos nós blogueiros saímos ganhando ontem com esta blogagem coletiva em homenagem à Florbela não é mesmo?
Tudo ficou mais lindo e perfumado com o doce aroma dessa Flor...bela!
Adorei também ter participado desta grande união.
Um grande beijo e seu post ficou uma delícia de se ler, aliás como tudo aqui.
Um grande beijo!

EternaApaixonada disse...

*****

Vim conhecer seu espaço e deixar um abraço! Gostei muito! Belíssimo!
Linda homenagem à amada poetisa!
Também participei com meus blogs. Ontem devido congestionamento não consegui visitar os blogs participantes da Blogagem Coletiva, que foi um sucesso!
Tenha uma ótima semana!

Sintonias do Coração

ETERNOS SONHARES

Coisas da Helô ©


*****

Urbano Leonel Sant' Anna disse...

Boa tarde! Sigo visitando os blogs participantes da blogagem coletiva.

Isto é o que eu chamo de uma corrente do bem! Como é que se poderia chamar uma iniciativa que enche de poesia a blogosfera? Aqui está uma excelente oportunidade para que todos conheçam um pouco mais sobre a genial Florbela Espanca.

Eis um trecho de "Ser poeta", de Florbela:

"Ser poeta é ser mais alto, é ser maior
Do que os homens! Morder como quem beija!
É ser mendigo e dar como quem seja
Rei do Reino de Aquém e de Além Dor!"

Parabéns a todos que estão participando!

Sensata Paranóia

Tiago R Cardoso disse...

gostei imenso, excelente recordação.

Jorge P.G disse...

Gostei do trabalho feito sobre Florbela Espanca.

Um abraço.

o escriba disse...

Serena Flor

Obrigada pela visita e comentário.
Volte sempre.

bjs
Esperança

o escriba disse...

Eterna Apaixonada

Obrigada pela visita e pelo comentário.
Volte sempre.

bjs
Esperança

o escriba disse...

Urbano Leonel Sant'Anna

Obrigada pela visita e pelo comentário.
Volte sempre.

Um abraço
Esperança

o escriba disse...

Tiago R Cardoso

Esta estadia da Florbela por terras algarvias não é muito conhecida. Para ela foi, de facto, uma prisão, pois sentia-se mais à vontade no reboliço da cidade e entre os amigos. As circunstancias dolorosas ditaram a sua vinda.

Um abraço
Esperança

o escriba disse...

Jorge

gostei da iniciativa de divulgação desta poetisa portuguesa. Nunca é de mais valorizarmos aquilo que é nosso.

Um grande abraço
Esperança

cova-do-urso disse...

Para não deixar tudo para a última hora, aqui deixo os meus votos de um bom 2009, o ano do realismo categórico do Senhor dos Poderes. Abraço.

António Rosa

o escriba disse...

António Rosa

Para si também votos de um 2009 com saúde, alegria, serenidade e amor.

Um abraço
Esperança

Sophiamar disse...

Deixo-te um abraço apertado. O teu blog é um pedaço do meu mar. Encanto-me aqui.

Beijinhos

o escriba disse...

Isabel

Querida Amiga, abraço apertado de amizade e gratidão para ti.

Esperança