segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

Degraus

produção própria, Ria Formosa

Os Anos são Degraus  
Os anos são degraus, a Vida a escada.
Longa ou curta, só Deus pode medi-la.
E a Porta, a grande Porta desejada,
só Deus pode fechá-la,
pode abri-la.

São vários os degraus; alguns sombrios,
outros ao sol, na plena luz dos astros,
com asas de anjos, harpas celestiais.
Alguns, quilhas e mastros
nas mãos dos vendavais.

Mas tudo são degraus; tudo é fugir
à humana condição.
Degrau após degrau,
tudo é lenta ascensão.

Senhor, como é possível a descrença,
imaginar, sequer, que ao fim da Estrada,
se encontre após esta ansiedade imensa
uma porta fechada
e mais nada?

Fernanda de Castro, in "Asa do Espaço"

5 comentários:

Jorge P.G disse...

Um poema de Fé, para quem a tem e acredita que há um Deus justo que abre e fecha portas consoante o caminho terreno percorrido.
Oxalá assim seja (fosse)!

Um abraço.

Papoila disse...

Um belo poema que conforta a alma de quem acredita que hávida para além da vida!
Beijo

Jorge P.G disse...

Passei e deixei um abraço.

Zé Povinho disse...

Os anos são degraus como a própria vida...
Abraço do Zé

Zé Povinho disse...

Os anos são degraus como a própria vida...
Abraço do Zé