domingo, 15 de maio de 2011

Um rosto de palavras

Descobri este poema aqui e encantei-me com a beleza das palavras desta poetisa que desconhecia:

da net

escrever sobre um rosto é traçar numa tela a matéria do silêncio

como desenhar um rio inscrito na pele?

há palavras na boca que dizem a palavra, o início, há palavras que dizem pão,

há palavras no rosto há palavras há um rosto de palavras

na minha mão.


há uma fricção entre o rosto do mundo e o mundo do rosto

há a Voz de um rosto que resiste e revela por entre as mãos


há num rosto um olhar e um espelho,

um animal insubmisso, há uma substância mental

num rosto encontro um mapa de alianças, um fluxo de água

num rosto confluem poema e tempo

uma melodia de palavras em gestação



Poema de Gisela Ramos Rosa

4 comentários:

Isamar disse...

Já li alguns pomas desta autora que,segundo julgo, é filha de António Ramos Rosa.
Quantas mensagens estão inscritas num rosto? Tantas!!! E num rosto que acusa trabalho árduo,vida longa e dura, talvez uma prole numerosa para sustentar tantas mais ainda se podem ler.

Bem-hajas!

Bjinhos

Zé Povinho disse...

Uma escolha acertada dum poema com rosto.
Abraço do Zé

Maria Souza disse...

Oi
Muito lindo este poema.
Um abraço
Maria

elvira carvalho disse...

Muito bom o poema de uma poetisa que não conhecia e que vou tentar conhecer melhor.
Um abraço