sábado, 4 de outubro de 2008

Dinheiro

Há pouco liguei a televisão e o canal 1 está a transmitir o filme "Caminho para a Perdição", homenagem ao grande Paul Newman, recentemente falecido. Logo me acudiu à memória um outro filme deste actor – The Colour of Money – realizado em 1986.

A cor do dinheiro. Qual é a cor do dinheiro? A cor clara da alegria, do bem, da felicidade? Ou a cor escura do desespero, da ambição ou da avareza?

O dinheiro tem muito que se lhe diga. Aqui estão algumas coisas para dizer do dinheiro.

Como conceito podemos dizer que o dinheiro é o meio usado na troca de bens, na forma de moedas ou notas , usado na compra de bens, serviços, força de trabalho, divisas estrangeiras ou outras transacções financeiras, emitido e controlado pelo governo de cada país, que é o único que tem essa atribuição. É também a unidade contável. O seu uso pode ser implícito ou explícito, livre ou por coerção.

Também podemos reflectir sobre a sua natureza ou importância para o Homem:

-Não há nada pior do que o dinheiro / na sociedade humana , "Antígona" , Sófocles.
-O dinheiro, sozinho, governa todas as coisas, "Sentenças" , Públio Siro.
-Nenhuma fortaleza é tão forte que não possa ser tomada sem dinheiro , Marcus Cícero.
-Admira-se o talento, a coragem, a bondade, as grandes dedicações e as provas difíceis, mas só temos consideração pelo dinheiro, Sébastien-Roch Chamfort.
-O dinheiro só é poder quando existente em quantidades desproporcionadas , Honoré de Balzac
-O dinheiro é o único poder que nunca se discute , Alexandre Dumas (filho).
-O dinheiro pode abrir novas vias que permitam prolongar por um pouco mais de tempo um golpe de sorte , Françoise Sagan.

Ao dinheiro podemos dar muitos nomes: massa , bagulho, cobres, grana, quantia, guito, guita, cheta, arame, pasta, bago, c’roas, milho, papel, pilim , tostões, dele, aquilo com que se compra os melões.
O dinheiro pode tomar outros nomes: Funcionários, vencimento; Médicos, honorários; Soldados, pré; Empregados, ordenado; Jornaleiros, salário; Prestamistas, juro; Queixosos, indemnização; Beneméritos, legado; Noivas, dote; Accionistas, dividendo; Magistrados, emolumentos; Intermediários, comissão; Autores, direitos; Segurados, prémio; Reformados, pensão; Operários, féria; Cobradores, cobrança; Párocos, côngrua; Comerciantes, lucro; Serventes, gorjeta; Herdeiros, herança; Estado, impostos.

livros que falam de dinheiro, outros que contam histórias do dinheiro. Às vezes, não há dinheiro para comprar certos livros.

Olhando para o mundo lá fora vejo que a Revista Forbes, inteiramente dedicada ao dinheiro e ao que se faz com ele, elaborou uma lista dos 10 melhores filmes sobre a temática do dinheiro:
1.Wall Street (1987) 2.Trading Places (1983) 3.The Sting (1973) 4.Boiler Room (2000) 5.Ocean's Eleven (1960) 6.It's a Mad Mad Mad Mad World (1963) 7.Casino (1995) 8.Glengarry Glen Ross (1992) 9.The Treasure Of The Sierra Madre (1948) 10.American Psycho (2000).

E nas notas da Música encontramos muitas dedicadas ao dinheiro, também ele a falar inglês:
-She works hard for the money, Donna Summer
-Money Talks, AC/DC
-Money, Beatles
-Money for Nothing, Dire Straits
-Money, Pink Floyd
-Money, money, Money, ABBA
-Pay Me My Money Down, Bruce Springsteen

E para acabar, que a conta já vai longa, quero dar troco a isto tudo, mas em português:

O dinheiro é tão bonito,
Tão bonito, o manganão!
Tem tanta graça o maldito,
Tem tanto chiste o ladrão!
O falar , fala de um modo...
Todo ele , aquele todo....
E elas acham-no tão guapo!
Velhinhas ou moças que veja,
Por mais esquiva que seja,
Tlim!
Papo.

E a cegueira da justiça
Como ele a tira num ai!
Sem lhe tocar com a pinça;
É só dizer-lhe:-Aí vai...
Operação melindrosa,
Que não é lá qualquer coisa;
Catarata , tome conta!
Pois não faz mais do que isto,
Diz-me um juiz que o tem visto:
Tlim!
Pronta.

Nessas espécies de exames
Que a gente faz em rapaz,
São milhares aos enxames
O que aquele demo faz!
Sem saber nem patavina
de gramática latina,
Quer-se um rapaz d'ali fora?
Vai ele com tais falinhas,
Tais gaifonas ,tais coisinhas....
Tlim!
Ora..
Aquela fisionomia
E lábia que o demo tem!
Mas numa secretaria
Aí é que é vê-lo bem!
Quando ele de grande gala,
Entra o ministro na sala,
Aproveita a ocasião:
«Conhece este amigo antigo?
---Oh meu tão antigo amigo!
(Tlim!)
Pois não!»

João de Deus
Fontes textos em itálico : internet

24 comentários:

Sophiamar disse...

Já passei por aqui várias vezes. Morreu-me um amigo e fiquei derramada em lágrimas. Estou desfeita. O vil metal, o tema do teu post,tão necessário e tão gerador de conflitos.
Voltarei para falar do actor dos olhos da cor do mar.

Beijinhos, amiga! Gosto tanto de ti. Bem hajas!

o escriba disse...

Isabel

Querida Amiga, a morte não é o fim. É uma passagem para algo bem maior, bem mais completo. Fisicamente, esse teu amigo deixou de estar presente, mas ele está noutra dimensão, no espaço da lembrança, da ternura das recordações. Esse teu amigo continuar a sê-lo, mas num plano diferente.
Conta com a minha amizade.

Um beijo grande
Esperança

Tiago R Cardoso disse...

Estava a pensar que vivemos numa sociedade onde o deus é o dinheiro...

infelizmente a musica já esta desactualizada, hoje já não se canta o sonho comanda a vida mas o dinheiro comanda a vida, infelizmente, infelizmente...

o escriba disse...

Tiago Cardoso

Obrigada pela visita e pelo comentário.

Efectivamente, é o dinheiro o dono do mundo e do Homem.
Mas, para mim, a música continua actual, é só nós querermos, mesmo que seja só lá no fundo, no fundo.

Um abraço
Esperança

Miguel disse...

Concordo contigo ...!

Mas agora tenta viver sem dinheiro ...!?

BOM FDS!
Bjks da M&M & Cª!

Jorge P.G disse...

OLÁ!

O $ como tema, hein?

Pois aqui vai o meu contributo, um poema de Francisco de Quevedo imortalizado pela música e voz do Paco Ibañez:

PODEROSO CABALLERO ES DON DINERO

Madre, yo al oro me humillo,
Él es mi amante y mi amado,
Pues de puro enamorado
Anda continuo amarillo.
Que pues doblón o sencillo
Hace todo cuanto quiero,
Poderoso caballero
Es don Dinero.

Nace en las Indias honrado,
Donde el mundo le acompaña;
Viene a morir en España,
Y es en Génova enterrado.
Y pues quien le trae al lado
Es hermoso, aunque sea fiero,
Poderoso caballero
Es don Dinero.

Son sus padres principales,
Y es de nobles descendiente,
Porque en las venas de Oriente
Todas las sangres son Reales.
Y pues es quien hace iguales
Al rico y al pordiosero,
Poderoso caballero
Es don Dinero.

¿A quién no le maravilla
Ver en su gloria, sin tasa,
Que es lo más ruin de su casa
Doña Blanca de Castilla?
Mas pues que su fuerza humilla
Al cobarde y al guerrero,
Poderoso caballero
Es don Dinero.

Es tanta su majestad,
Aunque son sus duelos hartos,
Que aun con estar hecho cuartos
No pierde su calidad.
Pero pues da autoridad
Al gañán y al jornalero,
Poderoso caballero
Es don Dinero.

Más valen en cualquier tierra
(Mirad si es harto sagaz)
Sus escudos en la paz
Que rodelas en la guerra.
Pues al natural destierra
Y hace propio al forastero,
Poderoso caballero
Es don Dinero.


UM ABRAÇO.
Jorge P.G.

Sophiamar disse...

Vim deixar-te um beijinho grande, grande, por teres recordado um actor que foi um grande homem para além de um grande actor. Os seus olhos cor de mar eram uma sedução infinita.
Mais uma saudade que esta semana me abalou.
Que vida esta!

Mil beijinhos

lagartinha disse...

Belo post!
Belo Homem!
Bjs que estou com pressa...

Papoila disse...

Gostei deste artigo que começou com a propósito de Paul Newman que sempre admirei como actor e homem...
De todas as citações fica-me esta
"O dinheiro só é poder quando existente em quantidades desproporcionadas , Honoré de Balzac".
Delicioso o poema de João de Deus.
Beijos

o escriba disse...

Miguel

Deizem que o dinheiro não dá felicidade, mas lá que ajuda, ajuda e muito!
Efectivamente não podemos viver sem dinheiro. Às vezes dou comigo a pensar como seria sem o dito pilim! Havia de ser bonito!

Um abraço
Esperança

o escriba disse...

Jorge

O seu contributo enriqueceu o meu canto! Muito obrigada! Gostei muito e já o copiei aqui para o meu caderninho das coisas boas!

Um grande abraço
Esperança

o escriba disse...

Isabel

Amiga, acho que vi a mior parte dos filmes deste grande actor! Aqueles olhos de um azul intenso punha-nos de cabeça à roda! Agora temos aí outros actores de olhos lindos. Tudo se renova, mas as nossas referências ficam sempre!

Bjinhos
Esperança

o escriba disse...

Ana Lagartinha

A menina deve ser a lagartinha mais rápida que conheço!eheheh!
Ah, belo homem, diz bem!



bjinhos
Esperança

o escriba disse...

Papoila

Para tudo há uma razão. As ideias vêm associadas. Foi o que me aconteceu. A propósito de uma veio outra. O nosso João de Deus também tinha umas muito bem caçadas!


bjs
Esperança

elvira carvalho disse...

Um post sobre o dinheiro? Bem pensado. Ela anda tão sumido que qualquer dia temos que recorrer ao que foi escrito sobre ele para nos lembrarmos de como era.
Um abraço e tudo de bom. Incluindoo dinheiro se possivel.
Votos de uma boa semana

rendadebilros disse...

Querida amiga
O teu discurso sobre o dinheiro está excelente e actualíssimo...
O dinheiro continua a gerir os destonos do mundo, para os que têm muito e para quem não tem nada...
Boa semana. Bjs.

o escriba disse...

Elvira

Qualquer dia é isso mesmo, um vestígio de um passado destrutivo.

Boa semana também para si.

bjs
Esperança

o escriba disse...

rendadebilros

Cada vez estou mais convencida que ele é que é o BigBrother, que tudo comanda e vigia.

Boa semana

bjs
Esperança

lagartinha disse...

Este post está mesmo fixe!
Vim cá ler de novo.
Bjs

o escriba disse...

Ana Lagartinha

Venha, menina, é sempre muito bem vinda!

bjinhos
Esperança

Sophiamar disse...

Hoje não vim para falar do dinheiro porque só quero saber como acertas no jogo do sineiro. Ah, marafada, tu tens olhão.
E já agora deixo-te uma beijota porque já és uma querida amigota. :):):)

peciscas disse...

Pois agora que tanto se fala dele, eis um post bem oportuno.
Há muita gente que só dá valor ao dinheiro, quando ele começa a faltar.
Se bem que haja quem o esteja sempre a contar e, com isso, perde grande parte do sabor da vida.
Que ele vá chegando para o essencial de uma vida com dignidade e já não estaremos mal.

o escriba disse...

Isabel

Amiga, o que eu me divirto com as "distorcices" das fotos do Jorge! Quando olho para elas procurou desconstruir os efeitos! Só isso! O resto é palpite firme.
São brincadeiras saudáveis, que ajudam a descomprimir depois de um dia de escola rodeada de papéis!

Um grande bjinho
Esperança

o escriba disse...

Peciscas

Já o meu pai dizia: enquanto ele for dando para a bucha, já é forro!

Um abraço
Esperança