segunda-feira, 29 de setembro de 2008

Letras de Descontentamento

Quando criei este meu canto, uma das minhas intenções era fazer disto uma espécie de baú onde iria guardando as coisas de que gosto: textos meus, textos de outros, fotos minhas, fotos de outros, poemas, e outras coisas. Mas como também se deve reter aquilo que não se gosta, quanto mais não seja para servir de aviso a futuras experiências, pus em cima no cabeçalho "letras do meu descontentamento. E é isso que trago hoje. Descontentamento.
Esta campanha do Magalhães faz-me lembrar o "BigBrother" da TVI, que ninguém via, mas todos sabiam o que lá se passava. Assim é este computadorzito. Muita crítica, mas é ver os pais aflitos por não saberem onde e quando hão-de ir buscar o respectivo código de aquisição. Todos reclamam do preço dos livros, mas os pais ainda não pensaram na conta da internet que vão ter que pagar. Enfim, com tanta tecnologia, qualquer dia ainda se contratam meia dúzia de R2D2 para orientar as aulas!
Ora tanta preocupação com a evolução das aprendizagens e os "melhores" meios leva a que sejam esquecidas outras coisas. Simples, pequenas. Pormenores que depressa se transformam em "pormaiores". É aqui que entra o meu descontentamento. E estas são as letras:

"São necessários (principalmente) pijamas, para as crianças que estão no Instituto Português de Oncologia a fazer tratamentos de quimioterapia. Após os tratamentos, os pijamas ficam muito sujos e gastam-se rapidamente.Esta ideia surgiu há dois anos e hoje já é apelidada de *Movimento Pijaminha* pelo sucesso que têm tido os esforços conseguidos! As necessidades existentes passam pela falta de pijamas, pantufas, chinelos, meias, robes e fatos de treino.Para todos a vida não está fácil, mas dentro das possibilidades de cada um há sempre espaço para participar, comprando ou obtendo junto de amigos e familiares agasalhos que já não sirvam.No ano passado foram entregues 76 pijamas e o IPO ficou muito satisfeito com esta dádiva.Este ano vamos repetir o feito, e se possível ultrapassar este número."

É vergonhoso que o ministério da saúde não tenha verba suficiente para atender ao desgaste dos pijamas no IPO.

Recolhido em:
http://www.papaacordas.blogspot.com/
http://www.mariazinha62.blogspot.com/

É grande o meu descontentamento! Dão-se computadores, porque todos devem ter acesso às tecnologias (e não estarei longe da verdade se disser que, daqui a uns tempos, quando começarem as avarias, os magalhãezitos serão arrumados a um canto, qual boneco zarolho e perneta) e não se providencia o básico para quem está confinado num hospital onde a primavera da vida pode nunca mais ser verão? É grande o meu descontentamento!!!

10 comentários:

Sophiamar disse...

As razões do teu descontentamento são justíssimas. As contas do Magalhães hão-de vir por aí mas essa não é minha. Alertaste. Fizeste bem. As necessidades a que te referes nem deviam vir a público porque não têm razão de existir. É prioritário suprir faltas básicas e essa é-o. Além disso, é incompreensível que isso aconteça quando se gasta tanto dinheiro noutras coisas que me deixam arrepiada. A aquisição de submarinos, há uns tempos, deixou-me furibunda mas eu não mando. A construção de estádios para o Euro 2004, a aquisição de aviões de guerra...
Bem, voltando ao que interessa, solidarizemo-nos com as campanhas que referes e ajudemos, já, quem tanto de nós precisa.
Beijinhos

elvira carvalho disse...

Neste país é asspm. Temos todos que ser informatizados, para fazermos vista na Europa. Podem as crianças ir de barriga vazia para a escola, mas não importa, psso alpás não se vê a olho nu, mas o status que dá ir de Magalhães debaixo do braço.
Podem não ter pijamas. Mas quem é que vê isso? A imprensa não vai lá ao hospital. Mas a imprensa vai ver os meninos com o Magalhães.
Não brincam, não têm um crescimento normal, passam os dias sentados, ficam obesos e de musculos atrofiados? Que importa isso, se estão informatizados?
Um abraço e uma boa semana

LUA DE LOBOS disse...

Portugal é na verdade O Pais das Maravilhas com o Pinoquio travestido de Alice...
com a idade eque tenho pensava já não me espantar com coisa alguma mas todos os dias sinto-me de queixo no chão... e como doi ao bater lá em baixo.
xi
maria de são pedro

Maria Clarinda disse...

JUNTO-ME A TI NO TEU DESCONTEMTAMENTO!!!!!!E alio-me ao teu GRITO!
É o tapar do sol com a poeira, eles não querem que nós falemos nisso, ou nos apercebamos, então...aparece mais uma...o Magalhães!
Jinhos mil

o escriba disse...

Isabel

Amiga, esta disparidade de prioridades não é nova. Tal como dizes, começou logo em 2004 com os estádios de futebol.
Mas olha eu tenho uma teoria: acho que eles, os que mandam, contam sempre com uma coisa infalível - a nossa solidariedade. Apesar de tudo, nós vamos sempre ajudando com campanhas para isto, campanhas para aquilo. Mas até quando?

bjinhos
Esperança

o escriba disse...

Elvira

É esse mesmo o mundo de hoje: um "showoff". Tudo o que se faz, em termos de ideias governamentais, tem que ser acompanhada das respectivas objectivas televisivas. Vende bem e entretém. é uma espécie de "pão e circo".

bjs
Esperança

o escriba disse...

Maria de São Pedro

Obrigada pela sua visita e comentário. Na verdade, a palavra "surpresa" tende a desaparecer cada vez mais do nosso vocabulário!

bjs
Esperança

o escriba disse...

maria clarinda

Obrigada pela visita e pelo comentário.
Pois se não nos ouvem, temos de gritar, e cada vez mais alto.


bjs
Esperança

lagartinha disse...

Esperança
Fui à primeira reunião com a DT do meu filho mais velho, onde fui informada que seria difícil dar as aulas, uma vez que só existiam 3 computadores na sala de aula... ora isto deixou-me a pensar... é que no tempo em que eu andava a estudar, era difícil ter aulas, se não houvesse livro, ou giz...

2 pavilhões estão em obras, com as respectivas casas de banho fechadas. Sabe-se que vai continuar assim até meados de Abril, porque...não há dinheiro.

Um beijinho

o escriba disse...

Ana Lagartinha

Era precisamente aí que eu queria chegar com este post. O exemplo do IPO talvez seja mais dramático, uma vez que estão vidas humanas em jogo. Mas o das escolas é gritante!
Mas também lhe digo que fazer depender as aulas da existência de computadores é no mínimo surrealista! As obras tardias é que são a verdadeira questão.
Mas olhe que é tudo assim, infelizmente. Sobra de um lado, falta de outro. Houve, pelo menos alternativas?
Ao que chegámos! Qual livro, qual giz! Outros tempos...

bjinhos
Esperança