quinta-feira, 15 de maio de 2008

Letras de Rodapé

Como se diz cá na minha terra, ando um bocado "afeleada".É desta Primavera inconstante, entorpecida e enevoada. Pareço outra pessoa que não eu. Ouvi esta manhã a minha voz preferida (mas tenho outras) e é mesmo assim que ando.

Não Queiras Saber de Mim - Rui Veloso

Não queiras saber de mim
Esta noite não estou cá
Quando a tristeza bate
Pior do que eu não há
Fico fora de combate
Como se chegasse ao fim
Fico abaixo do tapete
Afundado no serrim

Não queiras saber de mim
Porque eu estou que não me entendo
Dança tu que eu fico assim
Hoje não me recomendo

Mas tu pões esse vestido
E voas até ao topo
E fumas do meu cigarro
E bebes do meu copo
Mas nem isso faz sentido
Só agrava o meu estado
Quanto mais brilha a tua luz
Mais eu fico apagado
Amanhã eu sei já passa
Mas agora estou assim
Hoje perdi toda a graça

Não queiras saber de mim
Dança tu que eu fico assim
Porque eu estou que não me entendo
Não queiras saber de mim
Hoje não me recomendo

3 comentários:

Sophiamar disse...

Amiga Algarvia

Oh, p`ra mim, ando numa " afeleação" constante. Os tempos são de trabalho mas o fim de semana está à porta para ajudar a alguma descompressão. Também gosto de Rui Veloso. Gostei de encontrar-te no blogue de um amigo.

um bêje

o escriba disse...

Amiga sophiamar

obrigada pela tua visita!
A chuva que hoje esteve cá pelos meus lados ajudou a arejar os circuitos.
Também hoje fui leitora competente do Manual do Aplicador e um sorriso cai sempre bem naquelas carinhas traquinas.

Um bom fim de semana bem descomprimido

bjs
Esperança

Anónimo disse...

manager nominalist moneytree generated occupation ozone norwaytitle reproduction path ties immediacy
semelokertes marchimundui